terça-feira, 10 de abril de 2018

EXPRESSÃO NÃO VERBAL.

EXPRESSÃO NÃO VERBAL

Erguer a sobrancelha ajudou na evolução humana, diz pesquisa

Parte acima do olho deu aos homens habilidades de comunicação não verbais necessárias para estabelecer grandes redes sociais

Resultado de imagem para erguer a  sobrancelha ajudou na evolução humana
        

    Sobrancelhas deram aos humanos habilidades de comunicação não verbais (Foto: Giulia Marotta/Pixabay)
A capacidade de erguer a sobrancelha em desconfiança ou franzi-la em solidariedade pode ter dado à nossa espécie uma vantagem evolutiva, disseram pesquisadores da Grã-Bretanha nesta segunda-feira (9).
Sobrancelhas altamente móveis deram aos humanos habilidades de comunicação não verbais necessárias para estabelecer grandes redes sociais que permitiram maior cooperação e melhores chances de sobrevivência, disseram.
"As sobrancelhas são a parte que faltava no quebra-cabeça de como os humanos modernos conseguiram se dar muito melhor uns com os outros do que outros homininis agora extintos", disse Penny Spikins, da Universidade de York, coautora de um estudo publicado na revista científica "Nature Ecology & Evolution".
Spikins e uma equipe examinaram a função das cristas ósseas pronunciadas da sobrancelha em nossos ancestrais e entenderam por que estas se modificaram ao longo do tempo.
Pesquisas sugeriram que uma arcada supraciliar grande ajudava a proteger os crânios dos nossos antepassados de danos resultantes da mastigação forte, ou que preenchia um vazio entre a caixa craniana e as órbitas oculares.
A equipe usou um software para examinar a arcada supraciliar em um crânio fossilizado de Homo heidelbergensis, um membro arcaico da família dos homininis, composta por humanos modernos e nossos ancestrais diretos e extintos.
H. heidelbergensis, que viveu entre 600 mil e 200 mil anos atrás, é considerado o ancestral comum dos humanos e de nossos primos neandertais.
Os pesquisadores recriaram digitalmente o crânio, que pertence à coleção do Museu de História Natural de Londres, e experimentaram mudar o tamanho da arcada supraciliar enquanto aplicavam diferentes pressões de mordida.
Eles descobriram que uma arcada supraciliar grande contribui pouco para aliviar a pressão sobre o crânio quando se come.
Além disso, era muito maior do que o necessário para preencher a lacuna entre a caixa craniana e as órbitas oculares do H. heidelbergensis.
Em nossos antepassados extintos, sobrancelhas proeminentes podem ter sinalizado status social ou agressão, dando lugar depois às sobrancelhas mais expressivas dos humanos modernos, informou a equipe.

Nenhum comentário: