domingo, 3 de abril de 2016

GLOBO E A NOVELA " VELHO CHICO ".

    VEJA NO YOU TUBE :

    ...
    MAKING OFF - ABERTURA DA NOVELA

    VELHO CHICO .


    https://www.youtube.com/watch?v=NOYlmCvo_34


    OUÇA AQUI : MUSICA DE ABERTURA
    COM CAETANO VELLOSO.


    https://www.youtube.com/watch?v=NOYlmCvo_34
    Ver mais




UMA  CRONICA DE MAURICIO STYCER 

(  FOLHA SP -  UOL ). 


O Brasil católico



No ar há três semanas, "Velho Chico" é uma aposta alta da Globo em seu horário mais importante. Não apenas pela temática, mas pela estética, a novela de Benedito Ruy Barbosa tira o espectador da sua situação de conforto.
O que parece ser um "Romeu e Julieta" do sertão nordestino está ganhando, sob a direção de Luis Fernando Carvalho, um tom grandioso, repleto de nuances pouco convencionais na TV aberta.
Como escrevi em meu blog no UOL esta semana, "Velho Chico" se propõe a quebrar um velho hábito, o de "ouvir" novela. É preciso, de fato, ver para desfrutar da história.
Uma cena chave desta semana, uma passagem de tempo, ocorreu em questão de segundos, sem avisos, nem diálogos. Comentando a respeito da beleza da cena no Twitter, percebi que muitos espectadores não entenderam o que havia acontecido. Porque, apesar de estarem com a televisão ligada, não estavam olhando para a tela.
No retorno ao universo rural, depois de anos de novelas entre o Rio e São Paulo, a Globo também recolocou em cena, em destaque, um personagem que andava em baixa na teledramaturgia: o padre.
Ambientada no Nordeste, nas margens do rio São Francisco, a novela até agora se passou entre o fim dos anos 1960 e o início dos 80.
Romão (Umberto Magnani) não é um "padre de passeata", para usar um termo irônico cunhado por Nelson Rodrigues (1912-1980), mas não é servil. É um homem calmo e bom, que tenta permanecer íntegro e respeitado diante da paróquia submetida ao poder do coronel Afrânio (Rodrigo Santoro).
Há poucos dias, padre Romão se viu entre a cruz e a caldeirinha ao organizar uma procissão. Ele ofereceu a Eulália (Fabíula Nascimento), uma rara proprietária de terras não obediente ao coronel, a honra de indicar duas crianças para viverem São José e Nossa Senhora no evento.
Em seguida, Encarnação (Selma Egrei), mãe do coronel, apareceu em cena para entregar sua contribuição à procissão. Ela tirou da bolsa três maços de notas e disse: "Uma quantia bem gorda dessa vez, que é para o padre cuidar bem dos seus pobres". Romão respondeu: "Não sei como agradecer". E ela: "Agradeça dando o lugar de Nossa Senhora na procissão para minha neta".
Chocado, o padre pegou o dinheiro e o deixou perto da mulher. "Ela é muito nova ainda", tentou. "Ou minha neta sai de Nossa Senhora ou não ponho mais os pés na sua igreja", concluiu Encarnação.
Eulália reapareceu e encontrou o padre transtornado. Apontando o dinheiro, ele disse: "Veio negociar o lugar de Nossa Senhora na minha procissão". E ela, segurando o dinheiro, respondeu: "Pelo bem de nossos pobres, não me importo". Em nome da conciliação –e do dinheiro– o padre se deixou convencer.
"Velho Chico" também tem mostrado, com alguma ênfase, o misticismo e sincretismo do povo –a fé em lendas e práticas religiosas menos conhecidas em centros urbanos.
Esse resgate de um Brasil católico e sincrético ocorre no momento em que a Record, de olho no público evangélico, prepara a estreia de mais duas novelas bíblicas –a segunda temporada de "Os Dez Mandamentos" e "Terra Prometida".
Coincidência ou não, espero que não seja o início de uma guerra religiosa na televisão.


Nenhum comentário: